quinta-feira

TGV-OTA e queda do Governo

Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

Ruisinho:
  • O país está em ruptura e, ou me engano muito, ou essa ruptura vai-se acentuar, transformando-se num braço de ferro entre o governo, que quer a Ota e o TGV, e todos os outros, excepção feita aos que têm interesses ligados a qualquer um desses projectos.
  • Basta ler tudo quanto é imprensa e então, depois da demissão do ministro das Finanças e da intervenção, sobre este assunto, do Dr. António Vitorino, é aquilo a que se pode chamar de um fartar vilanagem. Grupos de economistas, dos mais conhecidos e prestigiados do país, vêem à televisão e vão para os jornais com abaixo assinados opondo-se aos investimentos e ameaçam mesmo, que qualquer dia, um delegado do governo irá bater à porta de cada família portuguesa para exigir a entrega da quota-parte da contribuição de cada um de nóspara aqueles dois investimentos, qualquer coisa como 1000 ou 1500 euros por cada elemento do agregado familiar.
  • Eu que estava a pensar em fazer uma viagenzita com o reembolso de uma aplicação financeira que fiz há 8 anos atrás e que se vence proximamente vou ter que deixar tudo em suspenso. Depois dos 27 meses de guerra que fiz em Angola para aí há uns 40 anos atrás chegou a hora de um novo sacrifício pelo meu país. Com a diferença apenas que em 1962 a generalidade dos portugueses, os que tinham e os que não tinham opinião, mais estes do que aqueles, eram quase unanimemente a favor do sacrifício da guerra, pelo indiscutível direito que os Estados tinham de defender a integridade do território nacional fosse ele qual fosse estivesse ele onde estivesse.
  • Mas agora não, o país está profundamente dividido, direi melhor, ao que parece, desequilibradamente dividido. Tirando o senhor 1º Ministro, e os Ministros da Economia e das Obras Públicas, todos as outras vozes ou se atiram aos investimentos em questão como “gato a bofe” ou levantam as suas dúvidas.
  • Afirmo, em consciência, de que me considero um bom cidadão, daqueles que entendem, como o Presidente Kennedy entendia, que são os cidadãos que têm que se sacrificar pela nação e não o contrário. E por isso, como o país não são só personalidades políticas e economistas cujas opiniões já conhecemos porque têm sido divulgadas, informem-se os portugueses de uma forma clara e objectiva, das vantagens e inconvenientes dos investimentos em causa. O assunto não pode ser mais polémico do que o é neste momento. O manifesto subscrito pelos 13 eminentes economistas vai, certamente, colher o apoio, em peso, da oposição e o governo cometerá um autêntico suicídio político se entender que lhe basta argumentar com a legitimidade do seu poder para decidir, que efectivamente tem. A decisão sobre qualquer um destes projectos é de natureza política, sem dúvida, mas tem que ser tecnicamente fundamentada e a partir de agora muito bem explicada. Pela minha parte, como democrata, respeitarei a decisão e desistirei da tal viagem em favor da minha contribuição mas se não existir explicação e os resultados não contribuírem para melhorar a situação do país, mesmo que seja no longo prazo, não conte o PS com o meu voto em futuras eleições.
  • De qualquer forma, o que me angustia é esta guerrilha permanente, esta tensão e incerteza em que estamos sempre mergulhados, esta dúvida sobre o nosso futuro colectivo, esta sensação de ingovernabilidade desesperante que nos faz adiar constantemente as esperanças no futuro, esta dificuldade, que é de todos nós, em gerarmos classes dirigentes responsáveis, sérias, competentes, sobre as quais não recaiam, permanentemente, dúvidas e suspeitas sobre as suas capacidades.
  • Provavelmente, éramos mais felizes quando não tínhamos ambições, quando levávamos dois dias de Trás-os-Montes a Lisboa e mandávamos aparelhar o burro para as pequenas deslocações….ao menos tínhamos muito mais tempo para pensar, quem sabe, senão mesmo para sonhar… em viajar um dia num TGV e embarcar, na OTA, num avião para Paris.
Xau .
Tio Quim

segunda-feira

Portugal, hoje... Com Soares à ilharga.

Olho para Soares e vejo isto. Olho para isto e através das lentes de Soares vejo uma sociedade rigidificada, ossificada, mumificada. Eis o Portugal de certas pessoas. Grave não é ser velho; grave é não representar qualquer esperança nem ter uma ideia ou projecto de futuro. Grave é só ter vontade sem projecto. O único projecto que existe é para servir a vontade. A vontade de querer poder... Will to live, will to Power


Image Hosted by ImageShack.us

sexta-feira

A Lebre...e as pessoas e o cansaço (da fuga) para a Academia e a reforma do BP

Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us
  • Lebres disfarçadas de pessoas; ou pessoas disfarçadas de Le....

Ruisinho

  • Por muito que me esforce para me convencer daquilo que sei há muito tempo, que a natureza humana está longe de ser um prodígio de lógica e que a cada passo nos surpreende pelo inesperado, apesar disso, desenvolvo sempre as melhores das intenções no que aos outros diz respeito quando as premissas apontam num determinado sentido.
  • Agora que a areia já está a começar a assentar sobre a demissão do ministro Campos e Cunha, quando este, com um grande abraço e troca de sorrisos, na cerimónia de posse, deseja as maiores felicidades ao seu substituto, tudo parece estar bem, dando mesmo a entender, dado o ar pacífico e cordial da cena apresentada perante os nossos olhos, que tudo foi previsto, concebido e ensaiado para ser assim. Ou seja, o académico de grande prestígio cede a sua pessoa para integrar a equipa governativa e dar assim, à equipa, um cunho de grande qualidade e credibilidade, e o político vitorioso, por sua vez, retribui-lhe com a possibilidade de acrescentar ao seu curriculum e experiência de vida, o desempenho de um cargo no governo do país com o prestigiado título de Ministro de Estado e das Finanças.
  • Mas, como intenções vulgares e mesquinhas não são próprias de pessoas inteligentes, nas conversas a sós que precedem a constituição dos governos, os objectivos políticos ficaram, igualmente, assentes: as medidas difíceis e impopulares seriam lançadas por um ministro independente dos interesses partidários e de competência indiscutível e por todos reconhecida e para isso 3 ou 4 meses bastariam. Depois, tal como se faz no atletismo, nas corridas de meio fundo, a “lebre” abandona a corrida e os verdadeiros corredores, os políticos que, poupados na primeira fase da corrida, chamam agora a si a responsabilidade de a continuarem até ao fim.
  • Mas esta é a minha imaginação delirante, a que se deixa seduzir pela lógica dos comportamentos e que, naturalmente, não acredita em desculpas circunstanciais como a tal de cansaço.
  • A realidade, pode, no entanto, ser diferente e surpreendente: os personagens em questão não são, afinal, pessoas nem tão inteligentes, responsáveis ou honestos, como todos julgavam, e na tal conversa a sós que precede a constituição dos governos e é decisiva, não houve a coragem, de parte a parte, de se acertarem ideias quanto ao que iria ser o essencial das decisões de um ministro das Finanças no que se refere às receitas e às despesas e só, no caso de haver consenso, haveria ministro. Por outras palavras, a política do Ministro das Finanças não pode ser diferente da política do governo que ele integra e isto independentemente de saber quem está certo ou errado.
  • Não vamos aumentar impostos, diz o 1º Ministro, provavelmente vamos ter que aumentar impostos, diz o Ministro das Finanças. Os projectos da OTA e do TGV, investimento público emblemático, vão ser implementados porque é preciso espevitar a economia, para além de que são projectos estruturais indispensáveis ao país num futuro próximo. Pois, diz o Ministro, mas tendo que recuperar até 2008 o défice para 3% não é possível, dados os montantes envolvidos e provavelmente a fraca rentabilidade no médio e mesmo no longo prazo desses projectos, pensar neles para agora.
  • Então, meus senhores, só agora descobriram que estavam em campos opostos relativamente a estas matérias decisivas na governação do país, ou prevalece a teoria da “lebre” que lança a corrida e depois das primeiras voltas sai da pista e deixa os verdadeiros corredores entregues a si próprios?
  • Mas, como sempre, a vida continua, agora com o Fernando Teixeira Santos, que também é Académico, Doutorado nos U.S.A., já com experiência de governação num governo do partido Socialista e, portanto, com outro traquejo para estas lides e que no discurso de posse, afirmou o que todos esperavam ouvir: “ vou seguir a política de rigor orçamental do meu antecessor”.
  • E eu, que sou ingénuo, pergunto: porque não o foram logo buscar de início? Por não ser tão independente como o Campos e Cunha ou porque, como académico, está a léguas de distancia dele, como já ouvi?
  • Agora, também já não interessa, o mal está feito. As pessoas, como eu, que acreditam nas virtualidades de um governo de maioria absoluta, por razões mais ou menos óbvias, ficaram chocadas com este episódio por aquilo que ele significa em desfavor da qualidade dos nossos políticos que não tendo feito, jamais, outra coisa na vida, parecem, às vezes, autênticos amadores.
  • Bem e eu que sou amador, hoje, vou jogar ténis.
  • Xau, espero que estejas melhor das tuas dores.
Tio Quim

Ai, ai.. - ainda falavam de mim.. Irrrrra))))

Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

Uma marca de automóveis anda a iludir as pessoas...

Faltam seis...
Image Hosted by ImageShack.us

domingo

Inquérito à ONU

Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

A ONU resolveu fazer uma grande pesquisa mundial.


A pergunta era: "Por favor, diga honestamente, qual a sua opinião
sobre a escassez de alimentos no resto do mundo".

O resultado foi desastroso. Foi um fracasso.

Os europeus do norte não entenderam o que é "escassez".
Os africanos não sabiam o que era "alimentos".
Os espanhóis não sabiam o significado de "por favor".
Os norte-americanos perguntaram o significado de "o resto do mundo".
Os cubanos estranharam e pediram maiores explicações sobre "opinião"
... E o parlamento português ainda está a debater o que significa "diga honestamente".

  • No comments: mas com imensa mágoa. Uma mágoa vestida por uma dôr de dentro, registada em tecidos de indignação e revolta. Gostava de ser Deus por um dia...
Image Hosted by ImageShack.us

sexta-feira

Entre a opinião e a decisão folgam as costas do TGV-OTA

Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

Ruisinho:

  • Ainda bem que nós só opinamos e não temos que decidir. Eu faço ideia das dúvidas e incertezas que têm de ser vencidas na fase de estudo e reflexão e que depois são ocultadas quando se comunica a decisão como se tudo tivesse sido sempre pacífico e linear. Mas é assim, as decisões têm que ter a força das coisas indiscutíveis, como se uma hipótese diferente de solução constituísse o maior disparate do mundo. A realidade tem uma grande componente subjectiva e a realidade económica mais do que qualquer outra. Funciona muito com base em expectativas, em estados de espírito que se forem positivos desencadeiam acções e iniciativas por parte de promotores que passam a ver oportunidades de negócio onde horas antes não viam nada.
  • Neste momento, na área de implantação do aeroporto da OTA já está tudo a mexer. O Presidente da Câmara já pediu uma reunião com o respectivo membro do governo para tratar dos assuntos relacionados com a implantação do aeroporto, e o mesmo, estou certo, estará a acontecer no que diz respeito ao TGV. e as acções de certas empresas subiram imediatamente.
  • E, sejamos honestos, são duas infra estruturas importantes, senão agora, seguramente no futuro e isso parece que quase todos o reconhecem. De qualquer forma, não me parece, que essa questão seja matéria de palpite. O futuro dos transportes na Europa e no mundo, quer no que se refere à aviação ou ao ferroviário é, com certeza, matéria estudada e as suas conclusões têm que ser decisivas na tomada das decisões. Se assim não for então saio já deste filme.
  • Fica, portanto, a questão da oportunidade e eu disse-te que, neste momento de dificuldades, o que parceria mais aconselhável seria adiá-las e a grande maioria dos portugueses entendê-lo-ia perfeitamente. Já não estou completamente certo se a oposição concordaria com esse adiamento embora a sua atitude seja de oposição. Fica por demonstrar…
  • De qualquer forma, a informação de que apenas 20 a 30% do investimento será efectuado com dinheiros públicos e que desses, uma parte será de fundos comunitários, parece-me ser um factor importante a levar em linha de conta na decisão.
  • Mas também é interessante verificar que sendo os socialistas normalmente acusados de falarem muito e pouco fazer sejam agora atacados por terem decidido pôr mãos à obra.
  • De qualquer maneira, de uma coisa gostaria de ter a certeza: que relativamente a este assunto das otas e dos tgvs ambos, governo e oposição, estão única e exclusivamente preocupados com o que cada um deles julga ser o melhor para o país, sem jogos partidários à mistura. Se assim for é a democracia a funcionar: governo a decidir e a oposição a opor-se. Nas próximas eleições legislativas lá estarei para emendar a mão ou não. O meu voto não tem dono é de quem eu julgar que o merece.

Xau. Vou jogar ténis.
Tio Quim

_________________________________________________________

  • Desviem-se porque sou mais rápido do que a própria lux... Se não me virem é porque já passei. Resta aos passageiros apearem-se no vacuu da sombra dessa lux..
Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

Cravinho aos comandos...

Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

  • Al^, Al^ - torre de controle... Quando faltam os "o" nas comunicações por vezes há acidentes...
  • Já uma pessoa não pode ir à missa aos domingos, irrrrra...

Image Hosted by ImageShack.us

  • Este é o novel pica-bilhetes. Assim, Cravinho pilota, Ferro malha nos passageiros. E os que não pagarem vão borda-fora a 300 Klm. Confesso que a coisa mete respeito. Al´me de perigosa...

Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

Meu Bom Tio,

Ainda bem que defendes o que defendes. Aqui não te acompanho - só pelo timing. Se me disserem que o TGV-OTA traz riqueza nacional no curto prazo; gera
milhares de postos de trabalho; cria clusters para a economia nacional como fez a Auto-Europa em Palmela, etc, etc. Julgo que nada disso está garantido. O TGV importa tecnologia, a OTA tem a vantagem de tirar o ruído alí do Campo Grande e deixar dormir mais tranquilamente o Mário Soares e os patos e toda a gansalhada que navega no lago do Campo Grande, por entre barcos de casco roto, remos partidos, drogados em fúria e a ressacar pelo assalto não conseguido, folhas secas varridas pelos almeidas da Câmara Municipal de Lisboa - que por alí vegetam, etc. Em termos estruturais a coisa deveria realizar-se, mas Não agora. Eis o que penso.

Sou dos que pensam que se fosse possível desmontar e vender em lotes ou blocos pedaços dos Estádios de Futebol do Euro à estrangeirada era o primeiro a ir lá fazer o corte e a embalagem. Portugal tem-se dado ao luxo - por razões de prestígio nacional e internacional e para assumir compromissos anteriormente fixados - de construir castelos de areia. O povo portugês paga-os durante uma vida e só usufrui deles durantes 20 dias para ver uns jogos pela Televisão. É uma frustração. E porquê? Porque em Portugal qualquer político que defenda uma ideia contra os patos bravos e contra a mafia que se apoderou do mercado da futebolítica - como o Fernando Searas - e companhia - que viram no comentário desportivo um trampolim para ganhar notoriedade e, assim, mais facilmente entrar na política - são postos borda fora e nunca mais fazem política em Portugal. Portanto, o esquema é alinhar com os Patos Bravos, os comentadores de serviço, e toda uma plêiade de pastores da futebolítica que se apropriaram do futebol para ganharem milhões, atingir quotas de notoriedade (boas para o mercado eleitoral), terem estatuto e aparecerem nas revistas e nos pasquins da especialidade e o mais de superficial que compõe esse star-system. Um dos sub-sistemas mais corruptores do país.

O futebol poderia bem ser uma actividade ao serviço da colectividade, mas transformou-se no pior que as actividades especulativas têm. Muitas pessoas do meio - tornaram-se desprezíveis na medida em que acederam ao meio exclusivamente para se servirem dos holofotes que esse espectáculo proporciona. Nada mais. Muitos deles, como Ferenando Searas e companhia - não sabem dar um chuto numa bola, e, não raro, continuam a pensar que a bola é quadrada. O esquema é simples e merece ser desmontado e denunciado: quero ser famoso; tenho de ira para a TV dizer umas bacuradas; falar de kê???? - já sei - falo de futebol - vq é uma ciência apropriada por todos; ganho notoriedade; conquisto o poder local - ganho uma autarquia; não governo - só comento; e, à pala do futebol - tenho algum capital de notoriedade pública para traficar politicamente. Eis o esquema de que o Searás será um expoente em Portugal. É um esquema que é uma vergonha, e serve também para compensar fraquezas e narcisismos que só poderia ser resolvidos com uma entrada de Leão no mundo do futebol.

Pois é isso mesmo que penso de muitos que agora defendem a construção dessas duas infra-estruturas para o País. Agora Não. Em 2007 - se a economia assumisse a retoma, talvez. Mas primeiro, havia que pôr o desemprego nos 2 ou 3%, e a economia a crescer e a modernizar-se muito acima da inflação. E não é isso que se vai passar - dado que todo o know-how vem do exterior e os postos de trabalho que gera também não são dignos de registo. O TGV deve ser óptimo para países como a França ou outros que porduzem e exportam essas tecnologias que aqui os tugas compram. Depois, quando tivermos endividados para pagar a tecnologia e a manutenção aos exportadores dos equipamentos somos considerados um país modernizado. Logo, um alvo vermelho na escala do terrorismo em rede. Desse modo, a modernização do TGV ainda nos coloca na senda dos alvos a abater - dado que despertamos sentimentos de ódio, ressentimento e vingança por parte de fanáticos que são os novos bárbaros do séc. XXI. É óbvio que isto é uma caricatura, mas encerra um fundo de verdade. Queremos, afinal, tanta pressa para quê? E as estradas secundárias do interior de Portugal? E os hospitais que faltam às carradas? E o investimento na formação humana em todos os escalões de ensino - do primário ao universitário? E o sistema de justiça - que em muitos casos obriga os agentes de justiça a trabalhar em salas que não veda a chuva que cai dos céus? E a agricultura? e o raio que nos parta a todos...

Lá está, não temos dinheiro para mandar cantar um cego, mas integramos rapidamente os vícios dos países ricos. Este é tipicamente o complexo dos pequenos. Que agora se põem em bicos de pés - para ver o avião a aterrar noutras paragens e tomar o peadeiro a correr, dada a velocidade do novo TGV. Mas algumas vantagens terão, certamente...

Com a crise económica, social e financeira que tolhe o País - os portuguese têm cada vez menos possibilidades de mobilidade. E ainda por cima o País vai empenhar os deddos e os anéis para permitir aos tugas um comboio mais rápido e um aeroporto maior!! Afinal, para onde vão os portugueses com tanta pressa?

Será que eles querem ir? E se sim, vão para quê? Ora é a isto que os relatórios da tanga já veiculados não respondem. Mas é moderno andarmos a 300 Klm por hora. Assim, quando houver um acidente - os portugueses morrem como o James Dean. Morrem depressa.

Apesar de ele ir a 156 Klm num Porshe velhinho. E também não se sabe para onde ía com aquela pressa. Provavelmente, fugia dele próprio. Ou então ía ter com uma amiga... Ou ter simplesmente mais uma rebeldia de gigante que acabou por o matar na estrada. Enfim, as merdas das modernices às vezes parece que só têm uma vantagem: matarem-nos depressa. Talvez, assim não sintamos a dor da crise, nem das decisões que estiveram na base do TGV-OTA.

Outra das vantagens que vislumbra nesta parada, é a seguinte: um TGV terá, certamente, um sistema de vigilância mais sifisticado que possa prevenir a conduta daqueles bandos de selvagens que assaltam pessoas inocentes no regresso a casa - nos comboios da linha de Sintra e de Cascais. Mas com o TGV - a coisa mudará de figura, os polícias devem ser mais eficientes para acabar com a ladroagem de pé-descalço que emana das Covas da Mora deste Portugal que anda engravatado todo o ano e se assoa à gravata por engano, como diria A. O'Neill.

Nessa altura já não seremos assaltados pelos vagabundos do costume que andam de naifa na mão. Nessa altura se calhar somos assaltados pelos próprios seguranças ou então pelo maquinistas que não tendo nada pra fazer naquela nova máquina ultrasofisticada que se entretem a ajudar os seguranças a aumentar o ordenado que leva para casa ao fim do mês.

Viva o púuugresso
Viva a múdernidade
Viva Pútugal!

  • De comboio em comboio, de "púgesso em púgesso" - até ao avião final. Estes passarão a ser os novos aviões que aterrarão no novel aeroporto da OTA. Que é como quem diz - a Organizaçãao dos Translúcidos Anónimos... Esperemos, então, que esses novos aviões passem a cair menos. E, se possível, levem oficina a bordo. Ou seja, os céus passam a ser equipados com oficinas e bombas de gasolina. Aí entra de novo a dupla: Cravinho e Ferro. Um pilota e outro malha; agora assumem funções diversas... Um é mecânico de aviões nos céus e o outro é o gasolineiro de serviço.
Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

quinta-feira

Belmiro e o TGV & OTA e Companhia...

Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

Ruisinho:

  • Acredita, que como português tenho orgulho que o Eng. Belmiro seja um empresário português. Apesar das suas birras, queixas, reclamações, protestos, ameaças, tudo muito à portuguesa, apesar disso… gosto dele. Há qualquer coisa na sua personalidade que me convence e que julgo ser : respeito pelo dinheiro, desinteresse pelas fortunas e amor pelas empresas. Quem criou a economia de mercado chamou-o e disse-lhe: criei este mundo para ti….vai…vive nele… e triunfa.
  • E ele assim fez, mas ao fim de tantos de fazer, olhou à volta e nada mais viu que uma empresa, a sua empresa, a Sonai. Assim, naturalmente, tudo aquilo que não é bom para a Sonae, ou simplesmente não interessa, também não interessa e não é bom para mais ninguém. E, com a frontalidade que o caracteriza não o esconde: “não preciso de um TGV, o que era bom era um pipe-line Lisboa-Porto, também não é preciso a Ota que não é rentável e financeiramente não é oportuno”.
  • E aqui temos um país que deixou de ser um país para ser uma empresa, a Sonae, do eng. Bemiro, e eu afianço-te que se o país fosse uma empresa era a ele que eu a entregava. Mas não é, por muitas razões mas agora só me interessa salientar uma: é que dentro da empresa do eng. Belmiro só cabem os seus empregados, enquanto que em Portugal têm de caber todos os portugueses. Quando o eng. Belmiro tem sérios problemas na sua empresa pode recorrer a um despedimento colectivo, ou individualmente, negoceia as saídas dos trabalhadores, enquanto o governo do país não pode despedir os portugueses ou negociar a saída deles para qualquer outro lado.
  • Eu acho que, relativamente à Ota e ao TGV, a decisão mais fácil e talvez menos polémica era adiá-las. A maioria das pessoas iria perfeitamente compreender que se existem dificuldades financeiras, seria preferível deixar para outra altura obras de tão grande monta, alem de que é essa a opinião do sr, eng.Belmiro de Azevedo e a minha também era.
  • Mas será que as soluções óbvias, fáceis, muito ponderadas, cautelosas, são as certas?
  • De repente, fechei os olhos, saí deste mundo e regressei passados 15 ou 20 anos, sim, porque 10 anos é demasiada boa vontade, e nós já sabemos o que a casa gasta. Olhei lá de cima, para esta parte da Europa e vi toda a gente a andar naqueles comboios lindos de morrer que se deslocam como foguetões mas na horizontal e nós, portugueses, lá continuávamos com o mesmo aeroporto de há quase 100 anos atrás e a andar nos mesmos comboios.
  • Sinceramente, fiquei desgostoso, frustrado triste, como os franceses quando souberam hoje que tinham perdido para os ingleses os jogos Olímpicos de 2012, e vai daí fui ter com o nosso 1º e disse-lhe: sr. Eng. esqueça lá o que o outro eng. disse, o Belmiro, tome todas as precauções e cuidados mas dê início à OTA e ao TGV., para que os seus filhos e os meus netos não se sintam inferiorizados relativamente aos filhos e aos netos dos outros.
Xau
Tio Quim


_________________________________________________
  • Meu Bom Tio,
  • O texto infra é da minha responsabilidade. Porventura, o meu tio terá opinião diversa do sr. Cravinho. Eu entendo que o sujeito a gerir gere tão bem que se fosse patrão do Estado leva-lo-ía à ruína em 2 meses. Ou menos, mesmo sem OTA e TGVs... Os portugueses já nem podem manjar batatas na terra - por isso acho de péssimo gosto prometerem-lhes ananases na Lua. Tudo tem o seu tempo debaixo dos céus... E este não é, definitivamente, o timing adequado para falar em altas velocidades - que contrastam com a vagareza das economia mas já acompanham com a brusquidão da carga tributária.. Enfim, uma teia de paradoxos à boa maneira "Xuxa-lista". Além da tecnologia ser quase toda importada. Gerando, consequentemente, mais desemprego intra-muros. E a indução de crescimento na economia seria lógicamente baixo. Em política ter razão muito antes - ou muito do tempo - é, pura e simplesmente - ridículo. O sr. Cravinho já pensou em retirar-se do Parlamento - donde parece estar colado com UHU - e experimentar entrar numa biblioteca. Faça-o e depois peça dois livrinhos de introito: um pode ser Keynes, depois - quando se sentir mais seguro na leitura pode pedir Schumpeter... Verá que terá mais proveito e a nós - tira-nos o turpor de o ter de gramar no Parlamento dizendo coisas que já vejo repetidas há décadas... Será que estes cromos não se enchergam..(ou será com "X")!? Apesar dos óculos parece que o homem não vê (ou não quer ver) a realidade. Será que é por causa do capacete - que lhe ofusca a visão...
Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us
  • É que é pra já... Vemos João Cravinho a cravar o governo para criar mais um elefante branco. Agora a ideia é um absurdo. Daqui por 2/3 anos - quando a economia fizer o take-of - já fará, porventura, algum sentido. É que hoje as pessoas nem dinheiro têm para comer quanto mais para viajar. Mesmo em negócios. Porque não se aposta nos comboios de mercadorias... E daqui por uns tempos - quando os tugas viverem mais condignamente - pode-se pensar nisso. Agora será um desastre. O mimetismo mata-nos, e os estádios de futebol construídos pelo incendiário do país - hoje em Bruzelas - o sr. Durão Barroso - provam-no. Cada estádio daria para construir meia dúzia de hospitais (indispensáveis ao país), mas o lobi do futebol e da construção civil é uma tentação para os políticos fracos. Gueterres deu esse pontapé de saída, Durão inaugurou. Hoje temos Cravinho - que onde mete a mão gere até à ruína. Ele fala, fala, fala, mas parece-me que seria útil tirar um cursito de uma semana na Sonae com o engº Belmiro - para ver se o homem aprende a gerir de vez. Cravinho é daqueles que só deveria falar, nunca gerir. Há homens, contudo, que já fazendo mal uma coisa ameaçam destruir a outra. No caso do capacete já não sei bem qual das duas faz pior. Mas pfv não metam o Cravinho a gerir o que quer que seja. Nem uma loja dos 300... Já temos de o gramar no Parlamento a dizer sempre as mesmas "estórias"... Será que ele ainda pensa que estamos na fase das estatizações em massa...

domingo

Os pigmeus e as bananas... Uma incursão socio-antropológica.

Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

Meu bom Tio,

Eu preocupado co
m Oeiras e tu falas-me dos Pigmeus...
Um abraço de elefante mas com respeito pelos pigmeus que, em criança, sempre associei aos pinguins, pois supunha-os animais enormes e, afinal, são do tamanho de um menino de 3 anos. Enfim, erros de perspectiva somados às desilusões de adulto. Com a política e os políticos é a mesma coisa. Mas aí, porventura, as desilusões ainda são maiores...

Rui.

_______________________________________________________________


Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us

Ruisinho:

Este episódio, autêntico, que te vou contar vale por si, mas é igualmente um pretexto para te falar dos Pigmeus. E porquê falar-te dos Pigmeus? Não és antropólogo, sociólogo, nunca viste nenhum Pigmeu, talvez num dos canais temáticos da TV, onde apareceram a propósito de um documentário sobre gorilas sob a denominação de Ba-akas. Mas é justo que se fale deles, não porque sejam baixinhos, exóticos, raros, antiquíssimos - os primei
ros habitantes da África Central - os melhores caçadores de sempre, no mundo, e tudo isto já seria muito mas, para mim, há outra razão que sobreleva todas estas: constituem um povo cujos princípios de vida deviam ser um exemplo a seguir por todos nós. Vejamos:

Image Hosted by ImageShack.us
-Nunca guerrearam, em toda a sua história, nenhum dos seus povos vizinhos, apesar de serem insuperáveis em coragem que põem apenas ao serviço das suas técnicas de caça ;

- Nada têm que desperte cobiça pelo que também nunca foram atacados;

- São solidários para com os outros, quem quer que sejam, nunca abandonando velhos ou deficientes, até aos limites em que esteja em causa a sua própria sobrevivência;

- Vivem desligados do passado e do futuro, como eles dizem: “…se não é aqui e agora o que importa onde e quando?…”

- Se não há passado não há remorsos e sem futuro não há angústias;

- Talvez por isso são genuinamente alegres e conversadores;

- Só conhecem uma riqueza, a sua capacidade para caçar sem a qual não podem manter uma família;

- Não suportam desavenças nem pessoas desavindas e tudo quanto perturbe a paz;

- Formam casais monogâmicos e são de uma fidelidade fora do comum;

-Nutrem pelos filhos um amor excepcional o que deve fazer estas crianças das mais felizes do mundo. O desvelo é tão grande que as crianças chamam de pais a todos os homens e mulheres da geração destes, avós aos da geração anterior e irmãos e irmãs aos da sua geração. Recentemente os especialistas aconselharam os pais a que, quando os bebés ficam inquietos pela a ausência da mãe, devem-lhes dar o peito. Os pigmeus há muito que o faziam por terem percebido que este contacto físico era saudável para com os recém nascidos . No ocidente os suecos chegaram ao mesmo entendimento mas não conseguem dedicar mais de 45% do seu tempo aos bébés enquanto que os pais pigmeus passam 47% do seu tempo com os seus filhotes.

-São gentis, espirituosos e de grande dignidade;

-Detestam a violência. O castigo mais grave que infligem é a expulsão do prevaricador do grupo, o que o obriga a integrar-se noutro sob pena de morrer porque não é possível sobreviver sozinho na floresta;

-Adoram o canto, a música e a dança. Os seus exercícios de canto são muito difíceis porque se trata de vários cantores, emitindo cada um deles, a intervalos de tempo pré-estabelecidos, a mesma nota ou uma certa melodia, sempre a mesma. ,O seu sentido de ritmo é de tal forma perfeito que efectuadas as gravações de cada um dos cantores e juntas todas as fitas da gravação o resultado foi um coro idêntico ao original porque nenhum deles se enganara no tempo.

- Não têm chefes, hierarquias ou leis. Existe igualdade entre homens e mulheres e as questões que dizem respeito a todos são discutidas à volta da fogueira;

-A sua divindade, se assim lhes quisermos chamar, é a floresta da qual se sentem fazer parte em tudo e para tudo.

E, finalmente, a história do pigmeu e das bananas:

- Um pigmeu roubava bananas no campo de um agricultor - que se escondeu, armado, para surpreender o ladrão. Ao ouvir barulho disparou e feriu-o mortalmente. Foi preso e condenado mas o pigmeu, antes de morrer, pediu desculpa ao agricultor perdoando-o pelo assassínio, afirmando que a culpa tinha sido sua porque não devia ter roubado as bananas.

- Agradeço a Francisco Cavalli-Sforza que acompanhou o seu pai, cientista no campo da genética, numa viagem de investigação sobre o estudo das populações humanas ao continente Africano e que reuniu num livro QUEM SOMOS NÒS – A História da Diversidade Humana - informações suas e o resultado das investigações do seu pai Luca Cavalli-Sforza. Por ele ficámos a saber que os Pigmeus só fisicamente é que são pequenos ou melhor, baixinhos. Em tudo o resto é uma grande gente, excelentes pessoas, sobre cujas vidas devíamos meditar e, talvez, nós próprios, há muitos anos atrás, algures na Europa, tivéssemos sido parecidos com eles.

Xau. Boa Noite que ela já vai alta.
Tio Quim


Image Hosted by ImageShack.us
  • Nota sobre os Pigmeus:
Está linkado no título desta reflexão


POVO FEIO E COM
GRANDES RABOS: LENDAS

Os Pigmeus criaram formas culturais próprias, de acordo com as exigências do seu hábitat. Isso, ao lado dos obstáculos geográficos e naturais, foi um dos fatores que os levou a viver isolados. Mesmo os poucos intercâmbios comerciais de carne e mel selvagem sempre se deram através de intermediários.

O longo isolamento na selva e a falta de contato com os demais povos africanos deu origem a lendas absurdas e racistas. Costumava-se descrevê-los como um povo muito feio, meio animal, chegando-se a fantasiar que possuíam grandes rabos.

Tais lendas foram responsáveis por atitudes discriminatórias por parte dos Bantu africanos, como também dos árabes e europeus, que os consideravam animais, sem alma. Há umas dezenas de anos, por exemplo, a tribo africana dos Magbetu perseguiu e matou todos os Pigmeu de seus arredores, caçando-os como se fossem javalis.

Fisicamente bem proporcionados, os Pigmeu são "baixinhos" se comparados aos nossos padrões: a altura média das mulheres é de 135 centímetros e a dos homens, de 145. Eles mesmos consideram sua baixa estatura uma vantagem, porque os faz ágeis em suas andanças pelas obscuras selvas africanas. E ainda fazem troça, chamando os altos e fortes Bantu de "elefantes desajeitados".

A cor da pele, acobreada e com matizes avermelhados, distingue-os claramente dos Bantu, de pele negra ou café-escuro. Também se diferenciam por suas tradições, costumes e sistema de vida. Por isso, é comum ouvir um pigmeu dizer: "Biso na baindu..." - "Nós e os negros...".

Em todos os grupos pigmeus, a unidade sócio-econômica é a aldeia, formada por uma dezena de cabanas e habitada por grupos de trinta a setenta pessoas. O mais velho, ou o caçador mais hábil, preside cada unidade.

A cabana, semi-esférica e totalmente coberta de folhas, tem de 2 a 3 metros de diâmetro e uma altura que raramente supera os 150 centímetros. Antigamente, sua construção era tarefa exclusiva das mulheres.

Os instrumentos de trabalho dos Pigmeu são poucos e feitos com madeira, ossos, chifres, fibras naturais e vegetais, dentes e sementes duras. Além de suas casas, são hábeis na construção de pontes de cipó sobre os rios.


CAÇA: MOMENTO MÁGICO
DA COMUNIDADE

A estrutura social dos Pigmeu é muito precisa, e há uma nítida divisão sexual do trabalho. As mulheres recolhem na selva tubérculos, fungos, larvas e cogumelos. A pesca, que só acontece na estação seca, é reservada, em alguns grupos, às mulheres e crianças.

Já a caça é atividade exclusivamente masculina e se constitui num momento mágico na vida da comunidade pigméia. Os homens se preparam para sair à caça se abstendo das relações sexuais e evitando toda "ofensa" à comunidade. Antes de partirem, há cerimônias de purificação e propiciação.

Nessas cerimônias, Mama Idei, a mulher mais velha do grupo, joga punhados de folhas sobre o fogo, fazendo a seguinte oração: "Abençoa, ó Deus, esses filhos teus. Olha para eles com atenção: estão famintos! Faz com que muitos animais caiam em suas mãos".

Então, com a boca cheia d'água, benze os arcos, as flechas e as redes dos caçadores com pequenos borrifos. Em seguida, cada caçador enche a boca de água e borrifa sobre o fogo, pedindo o perdão de seus pecados: "Deus, se agi mal, perdoa-me. Que a caçada não fracasse por culpa minha".

Certos grupos pigmeus são famosos pela caça do elefante, uma atividade valente e arriscada. Nela, alguns caçadores se aproximam o mais possível do animal e dificultam-lhe a marcha para que se distraia e caminhe devagar.

Enquanto isso, um dos homens se arrasta por debaixo do ventre do animal e lhe corta os tendões de uma das patas traseiras. Dessa forma, o elefante, debilitado e ferido, cai ao chão, e todos os caçadores se reúnem para matá-lo.


DIVERSÃO: DANÇAS COLETIVAS
E JOGOS MÍMICOS

Os Pigmeu, por viverem na floresta tropical escura, quente e úmida, encontram na coleta e na caça suas formas de subsistência. Não acumulam alimentos nem bens naturais e vivem daquilo que a natureza lhes oferece. Mas nem sempre contam com o suficiente para atender às necessidades mínimas - às vezes, passam longos períodos de fome.

Como os demais povos caçadores da África, nunca se interessaram nem pela agricultura nem pela criação de gado. O único animal doméstico que costumam ter é o cachorro.

A mulher é muito respeitada na sociedade pigméia, e a monogamia é uma tradição tão firme que chega a ser difícil aos estudiosos explicá-la.

O homem em idade de casar busca uma esposa em um grupo distinto do seu. É uma forma de intercâmbio: um grupo cede a outro uma mulher se este está em condições de dar-lhe outra no lugar, para que o vazio deixado por uma seja preenchido pela outra.

Todas as noites, os Pigmeu costumam se reunir em danças coletivas e jogos mímicos, que são suas atividades preferidas nas horas de lazer.

Não é fácil falar da religião dos Pigmeu, porque eles não costumam expressar suas crenças com ritos externos e, além disso, a religião dos diferentes grupos não é uniforme.

Geralmente, crêem num Ser Supremo criador, que se personifica no deus da selva, do céu e do além. Crêem ainda que as almas dos bons se convertem em estrelas do firmamento, enquanto as almas dos maus são condenadas a vagar eternamente pela selva e dão origem às doenças dos humanos.

Os Pigmeu acreditam também na vida além da morte, mas não se estendem muito sobre o assunto, logo se esquecendo das tumbas de seus antepassados.


POVO BANTU:
PATRÕES NEGROS DOS PIGMEU

As relações dos Pigmeu com a administração dos Estados em que vivem são complicadas e difíceis, como para qualquer povo semi-nômade. Os governos querem que se tornem sedentários para obrigá-los a seguir seus programas de desenvolvimento e integrá-los à economia nacional.

Alguns países pretenderiam usar os Pigmeu como curiosidade turística e convertê-los em patrimônio nacional, como se se tratassem de animais raros de uma reserva. Esta é uma situação discriminatória que, nascida das diferenças entre os Pigmeu e os demais povos africanos, ainda perdura hoje.

De natureza dócil e ingênua, os Pigmeu foram facilmente subjugados pelos Bantu. Em certas regiões, chegam a ser considerados parte do seu patrimônio familiar e, como tais, são transmitidos como herança de geração em geração.

Nessas condições, é o patrão negro quem responde por eles diante da sociedade. Defendem-nos em tribunais, onde às vezes os Pigmeu nem sequer têm o direito de comparecer, e conservam seus eventuais documentos públicos, que usam sem maiores controles.

Os Bantu desfrutam dos bens que os Pigmeu caçam e colhem e exigem que trabalhem em seus campos. Em troca, lhes dão retalhos velhos de tecido, alguns produtos de cultivo e até suas cabanas, quando estas já estão semidestruídas.


VIDA E CULTURA AMEAÇADAS
PELO PROGRESSO

Quando estão entre estranhos e distantes de seu hábitat, os Pigmeu parecem tristes, preguiçosos, introvertidos. Na selva, ao contrário, são alegres, muito ativos, comunicativos e acolhedores. Para eles, o sistema comunitário é essencial e determinante.

Enquanto para o negro em geral a selva é uma madrasta perigosa, para os Pigmeu é uma mãe amorosa que os acolhe, nutre e protege. Dela eles recebem o material para construir suas cabanas, a madeira para seus arcos e flechas e o alimento cotidiano.

Hoje, como no passado, a sorte dos Pigmeu está ligada à selva. Fora dela, sua cultura e sua vida se perdem. Mas ultimamente o seu meio ambiente está sendo cada vez modificado e destruído pela extração de madeira, extensas plantações de café, minas de ouro e diamantes e implantações industriais.

Além disso, o uso de armas de fogo por parte de negros e brancos afasta sempre mais os animais selvagens, dificultando a caça, atividade essencial para a subsistência dos Pigmeu.

Qual o futuro dos Pigmeu? Eles conseguirão se integrar numa sociedade moderna sem perder a sua identidade cultural?

A discussão avança em terreno desconhecido. Qual o tipo de desenvolvimento adequado para uma população semi-nômade? Sabe-se muito pouco a respeito, e há o risco, sobretudo, de se querer responder a essa questão em nome dos próprios Pigmeus