quinta-feira

Honda VFR 800 - a melhor mota do mundo

  • A Honda VFR 800 - é a melhor mota do mundo. Quando a temos ficamos excitados e felizes mas preocupados e mais tesos; quando deixamos de a ter ficamos frustrados, mas também mais aliviados e com mais uns trocos na carteira - que sempre foi leve.
  • Hoje já não a tenho, mas dei a volta ao texto doutra forma: colei-a no screensaver e, assim, vejo-a todos os dias pensando que ela ainda é minha e ronca quando quero. Hoje, basta vê-la para a ouvir; basta vê-la e ouvi-la para me sentir nela em rotação; basta tudo isso para voltar aos 280 Km. em poucos ss. Basta de alucinações...

Image Hosted by ImageShack.us

  • ... Basta de tanta baboseira, para evitar bater com a cornadura no chão!!! e depois nunca mais poder andar de carro (nem a pé). Mas é linda!! E também isto é cultura, ou não!?
  • Vrum, vrum, vrum...

Autenticidade e direitos autorais...

Image Hosted by ImageShack.us
  • Há dias recebi um mail duma pessoa amavél chamando-me a atenção para uma realidade que todos nós já conhecemos: a violação sistemática dos direitos de autor, agora em versão virtualizada que se corrompe net fora. É que muitos textos e inúmeras imagens são, hoje, vilmente copiados, adulterados e prostituídos. Ora isto é crime. Mas é ainda um crime brando à face da nossa cultura jurídica do deixa-andar que depois-logo-sevê.
  • Isto em bom português é uma "filha-da-putice". Não se faz!!! E assim que me alertaram para aquilo que eu próprio já estava doutorado de saber, e também porque fui alvo e de certo modo contribui para adensar esse eco, tratei logo de saber como reparar a situação. Como? Citando o autor/a devidamente. Doravante, terei mais cuidado em republicar mails que me chegam, muitos deles de pessoas que se querem fazer publicar em blogs, e nós, por vezes, porque somos solidários e altruistas, republicamos essas coisas, ainda que penalizando os verdadeiros autores desse staf.
  • Tudo isto para dizer o seguinte: mesmo na net as pessoas devem ter sempre o cuidado - na medida do possível - de citar a fonte que criou esse material. Desfazer disto é cometer um crime - diria - de falta de autenticidade. E não há pior crime dos que relevam do intelecto e da consciência. Por mim, tentei, reparar a situação e ora contribuo para que ela não volte a suceder.
  • Mas esta questão é mais densa e complexa do que parece à 1ª vista. Vejamos como e porquê. Antigamente, o aspecto mais importante da liberdade era a liberdade dos indivíduos, e não a liberdade dos grupos. Por isso, o problema da liberdade dos grupos - no mundo - está a impôr-se sobre a liberdade das pessoas, que individualmente colocam problemas que a sociedade deve resolver (ou não).
  • No séc. XVIII muita gente acreditava nos Direitos do Homem, mas não eram favoráveis aos direitos das organizações quando essas organizações tivessem finalidades que se opusessem às finalidades do governo da maioria.
  • O cristianismo, o budismo, o marxismo e outras religiões tiveram a sua contribuição maior através dos indivíduos, e nenhum deles poderia ter emergido e florescido em Estados totalitários. Pois isso era incompatível com a liberdade natural. Galileu, por exemplo, foi maltratado pela Santa Inquisição, embora de forma tíbia quando comparada com os métodos mais modernos noutros pontos do globo, e de que, por exemplo em Portugal - tivémos triste notícia - com o Processo dos Távoras, e de muitas outras atrocidades cometidas pelo igreja Católica na América do Sul - que fez com que quando João Paulo II foi aos Andes os indígenas se recusassem a receber os ensinamentos da Bíblia. O Santo Padre percebeu a coisa e teve de retratar-se, ou melhor teve de pedir desculpa ao mundo pelas atrocidades cometidas pela Santa Igreja Apostólica Romana - que mais parece uma superpotência desgovernada.
  • Ao abrigo de certos direitos e deveres muitos livros foram queimados, e nessa fogueira de vaidades também entraram muitos homens de valor intelectual.
  • Depois veio a IGrande Guerra (1914-18) e aí a perseguição às pessoas tornou-se científica e eficaz. Esses crimes ganharam expressão maior com o "amigo" Adolfo que fez o que fez a 6 milhões de judeus, prestamistas de sucesso e odiados por todos.
  • Supunhamos que num casal marido e mulher se passam a detestar. Na óptica da moral católica esses dois seres devem viver para sempre aprisionados um ao outro. Se, noutro ângulo, o leitor expender uma opinião desfavorável na universidade onde trabalha contra os corpos instituídos verá logo que é marginalizado quando não despedido; se for político não será reeleito; se for jornalista só será aceite num pasquim de província; se for padre será desterrado e assim por diante. Se fôr poeta e/ou bloger grita com os outros blogers.
  • Ora com os direitos de autor a coisa é parecida. Não deixa de haver uma certa violência exercida sobre o verdadeiro autor duma obra que não se chega a citar. Ou inconsciente ou cirúrgica e incisivamente para ocultar deliberadamente o autor, o que é ainda mais grave e pérfido. Mas há homens para tudo neste nosso mundo em que vivemos, que parece um alguidar de alacraus.
  • Temos, pois, de saber conviver com esses alacraus sem que, no caminho da vida, nos tornemos num igual. É aí que reside a sagesse e o talento do homem. Diferenciarmo-nos dos animais, dado que obedecemos mais aos aparelhos simbólicos e culturais (ou assim deveria ser) do que aos aparelhos biológicos que regem a vida dos outros animais - os quais não precisam dos direitos de autor para nada. Desconfio até que um cão, um cavalo ou um canário, com excepção do meu, que sabe falar janonês e tocar a guitarra do Carlos Santana, nem sequer sabem o que é isso dos direitos de autor e dos problemas daí resultantes.
  • Tudo isto serve para fixar algumas ideias no caldeirão em que navegamos: a questão dos direitos de autor e a sua observância é, antes demais, uma questão cultural e só depois uma questão jurídica. Inverter esta formulação é não perceber nada da vida; é como pedir ao arquitecto e ao pedreiro que comecem a construir a casa pelo telhado. O fracasso é certo e depois ficamos soterrados sob os escombros.
  • E é aqui que estamos: às chamadas forças da estupidez e da crueldade organizada, disfarçada em moralidade, que tendem a esmagar todos aqueles que querem afirmar legitimamente os seus direitos, a sua autoria, a sua identidade cultural, por vezes de forma naife, mas nem por isso menos correcta ou legítima. Ora são estas mesmas forças organizadas que, se não tivermos fortuna pessoal, fama ou qualquer outra forma de notoriedade ou de capital-intelectual junto dos meios de influência sociais, somos literalmente esmagados.
  • Por vezes a forma que eu próprio encontrei para lidar com isso, quando esses dejectos culturalóides me batem à porta - apesar de não ter paciência para os procurar na net como quem busca agulha em palheiro - é, precisamente, dizer ao sujeito que se esqueceu de copiar as vírgulas, os travessões e o número de parágrafos que o dito cujo prostitui no gamanço cultural que me fez. Assim, o sujeito cora dos pés à cabeça. E acaba por cair da cadeira quando eu próprio, autor de determinado texto ou ideia esbulhada, me ofereço para ir ao domicílio desse crápula fazer as emendas para que a coisa se pareça mais com o original que ele copiou. Digo-lhe ainda que faço a coisa free from taxes, como nos aeroportos.
  • Confesso que já fiz isto umas vezes, poucas, mas funcionou sempre - e sempre é acompanhado com um pedido de desculpas do artista. E a coisa fica por alí.
  • Minha cara - não se afane, não se agaste. Tudo isso lhe rouba energias para fazer poesia. Basta-lhe, pois, recorrer à ironia - que é, como diria Eça de Queiróz, o sorriso da razão.
  • E assim os entala a todos e ninguém "a come" por parva. Só se quiser... Bom, mas isso já é outra estória...

Relembrar a memória de Alfama. Relembro-me!?

Image Hosted by ImageShack.us
  • Lembras-te quando morávamos naquele 2ºandar pequenino numa casa entre casas e paredes nossas e dos outros que nos separavam e uniam aos vizinhos do andar de baixo que tinham um bebé que chorava muito e ao vizinho do andar do lado que estava sempre a espirrar e nós ríamos no meio de choros e espirros e gritos dos vizinhos do andar de cima que tinham uma cama que rangia e uma vez cronometrei-os a fazer amor como se fossem corredores e o orgasmo meta que atravessaram pouco tempo depois da corrida ter começado e eu ri baixinho para não me ouvirem rir do amor rápido que faziam tão diferente do nosso quando me amavas como me amavas e te demoravas no meu corpo e as tuas mãos me navegavam e eu flutuava na tua boca e sorvia o ar como se me faltasses e pedia-te, ama-me, e tu dizias ainda não, e eu deserta do teu corpo errando nas tuas mãos e tu tão certo do meu corpo a murmurares, vem, e os vizinhos a adivinharem o teu murmúrio nos meus gritos e o vizinho do lado a suster o espirro para me ouvir e te adivinhar e me ter nas tuas mãos e no dia seguinte dava-me um sorriso cúmplice com o bom dia... Lembras-te?

    Foto. Tamara Loncar
    posted by encandescente at 12/07/2005

    ________________________________________________________
  • Eu lembro-me - ou melhor RELEMBRO-ME...

    Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us
    Relembro-me de há quase 20 anos morar em Alfama numa rua estreita onde cabiam só três pessoas a andar ao mesmo tempo e ser essa uma rua com muita estória, tanta que agora me vem à cabeça o tal stream of conscienciounesse do genial James Joyce, a tal corrente da consciência que põe a nú tudo num ápice e me lembro do que passava com o couple de cima, do 3º andar, pois como morava no 2º ouvia tudo e se morasse no R/c seria a mesma coisa. E já sabia que as 6ªs à noite eram dias de gemer mais enquando - eu já preparado - colocava o algodão nos ouvidos para poder ler e estudar em lugar de ouvir aqueles brujessos a fingir que cantavam ópera dentro duma lata de conservas e quando espeliam gazes e orgasmos imaginava sempre que se tratava dum rebentamento duma centena de tomates dentro duma jarra de flores que era suposto terem rosas e cravos. Relembro-me desses dias, e dos dias de manhã em que todos descíamos a escada mas uns tinham de ficar retidos no semáforo da respectiva soleira da porta (que mais parecia um postigo de bonecas) de entrada porque os beduínos não conseguiam passar todos ao mesmo tempo pelo corredor apertado do mesmo curral. Relembro-me de Alfama, relembro a rua de S. Miguel e outras artérias mais sujas, relembro um casal de maricas comumente conhecido pelo "casal do papagaio paneleiro" e quando o papagaio vinha parar ao meio do chão, com o bico barulhento encravado nos intervalos das pedras da calçada imunda, ao lado das couves e das batatas da loja da frente era porque tinha havido discussão, só que era uma discussão ao mesmo tempo íntima e pública e todos ficávamos alí a saber que um dos cônjuges tinha ido fazer a noite para outra cama, deixando o cônjuge sedentário a penar em casa com o papagaio, carente de afectos e de muita maquinação sexual, que o nómada tinha procurado noutro poiso mais promíscuo. Relembro-me de ler Kant, Platão, Teoria do Estado, Ciência Política, Economia, Psicologias e outras manias, e também Eça de Queiroz ao som dessas paneleirices ecoadas com o sacana do papagaio às 5 da manhã a desatinar em delírio porque tinha vindo parar outra vez ao meio do chão a partir daquele 4º andar do prédio contíguo onde os maricas faziam regularmente o mesmo circo, com um do lado - de dentro da porta dizendo: hoje dormes na rua meu sacana traidor; e o outro - querendo entrar - retorquia aos berros: "Não há puta sem cabrão", não há puta sem cabrão e repetia isso ad eterno que ainda hoje, volvidos 19 anos, esse refrão ecoa no meu cérebro como campainha de escola secundárioa em vésperas de teste de matemática. Foram tempos sacanas, tempos panleiróides em que tive de gramar com essa merda toda por entre altas filosofias e outras tantas políticas e economias e sociologias intervaladas pelas relações internacionais do séc. XX findo. Há dias passei pelo lugar do circo e revi tudo já tão diferente, tão arejado, tão mais espaçado, e disse para mim: a merda da gaiola já lá não está, o sacana do papagaio já não lixa os ouvidos de ninguém com os zumbidos paneleiróides madrugadores, os maricas já puseram janelas novas de vidros duplos, as casas já estão pintadas, a loja das couves da frente virou uma charcutaria fina para enganar turista e tirar umas chapas, o talho virou boutique cafona, as pedras da calçada já não cheiram (tanto) a peixe podre enraizada nos seus interstícios, as velhas sentadas à porta já zarparam para 7 palmos abaixo da terra, os filhos delas, agora drogados, desempregados, desdentados e decadentes ocupam os seus lugares com o estaminé à porta - e os turistas continuam a procurar em Alfama um lugar de delírio arquitectónio do universo, um ponto de observação imagética do globo como se os autóctones fossem ETs, enfim uma antena do mundo que depois integra um albúm de fotografias abroad; e também um sítio de gritos e de muitas corridas quando os chungas indígenas resolvem passar pelos ditos turistas e levar-lhes as máquinas fotográficas com que pretendem registar o mundo: o mundo de Alfama, o mundo que povoou a minha memória, a memórias das minhas leituras universitárias, o role de amigas, de poucas namoradas de todas elas que por lá passaram e sentiram o aperto do espaço que é o microcosmo de Alfama. Uma Alfama que hoje está diferente, mas não tanto. O facto do papagaio já lá não estar, os maricas terem morrido de sida e as artérias parecerem mais fluídas - tal não significa que os turistas não sejam gamados, a pobreza e miséria não abundem, a velhice não se arraste andrajosamente, os negócios escuros - vindos de cima da Feira da Ladra - não se continuem a fazer, etc, etc, etc.. E por tudo isto pensei, por entre luminicências, encandescências e outras tantas heroicidades e eroticidades: bolas - Alfama é sempre Alfama. E eu tenho mais 20 anos, fo....Image Hosted by ImageShack.usImage Hosted by ImageShack.us Image Hosted by ImageShack.us
PS: O homem do futuro é aquele que tiver a memória mais longa, como diria o louco sábio do F. Niezstche. E Alfama faz-me supôr aqueles elefantes de memória que têm a velocidade da lebre. E nunca andei a gamar máquinas fotográficas.!!.. Ironias da vida, agora como espectador retro-prospectivo neste Portugal meio cómico meio neurótico em que todos somos obrigados a vegetar. Apesar de saber que qualquer dia todos temos de passar a gamar as tais máquinas fotográficas para podermos sobreviver. Será isto o "choque tecnológico" do único engenheiro com nome de filósofo no mundo? que parece que é PM de um País do 3º mundo europeu - à beira-mar acocorado...

terça-feira

Pensar, escrever.., agora vira!!

Image Hosted by ImageShack.us
A Costa dos Murmúrios
de Lídia Jorge

Sempre adivinhei a leitura como uma espécie de cinema mental. Por qualquer insondável alquimia, aquele que lê deixa de, a partir das primeiras páginas, ver os rebanhos de letras e frases impressos no papel. Passa antes a ter projectadas nas folhas do livro florestas de imagens, sons, tonalidades, acções. Abstrai-se dos caractéres negros e encontra dentro de si o que o escritor ousou apenas rabiscar. Dois universos – o do autor e o do leitor – volvem-se assim íntimos. Apesar de apertados. E tanto mais quanto for o talento do escritor para evocar, transformar uma singela palavra num fotograma de imaginação.

Reside aqui a arte de Lídia Jorge. Profeta no manejo da prosa, puxa-nos pela gravata do real e arrasta-nos ao hemisfério da Ficcionalidade. A Costa dos Murmúrios é pródiga nesta florescência de evocações. Dir-se-ia que um sótão de memórias, ao despegar cores, sons e aromas, cria atmosferas susceptíveis de desenroscar a capacidade que o leitor tem de, segundo Barthes, re-escrever o texto.
(...)

Sortes

Image Hosted by ImageShack.us

Há quem nasça com o cu virado para a lua
Parece que é sinal de sorte
Nascer mostrando à lua o cu
Prendendo os olhos ao chão.
Eu nasci com o cu virado para baixo
Enchendo os olhos de lua.
E assim permaneci
Perpetuando o azar
De ter nascido ao contrário
Ousando possuir a lua
Não levantando o cu do chão.

Foto:Rafal Bednarz
posted by encandescente at 11/13/2005

domingo

O Noivado

Image Hosted by ImageShack.us
Rasguei todas as tuas fotos, até aquela que tirámos há um tempo atrás no castelo, no dia em que me deste o anel de noivado e me juraste amor eterno e fidelidade, e eu não sabia, no dia em que tirámos as fotos e aceitei o anel, que eram tudo falsidades e estava tão feliz que disse a uma pessoa que passava, não se importa de nos tirar uma fotografia? E pedi-te para repetires o gesto e as juras com o mar em fundo para ficar mais bonita a fotografia, e tu puseste-me de novo o anel no dedo e eu sorria e tu não estavas muito à vontade mas sempre disseste que não te sentes muito à vontade com estranhos e afinal o estranho és tu e o canalha e o mentiroso e hoje quase morri atropelada e de ataque cardíaco, ou o que acontecesse primeiro, nem vi os carros a baterem uns nos outros nem ouvi as buzinas, só te via a ti de braço dado com uma mulher e uma criança pequena ao colo que ria de alguma coisa que lhe dizias, e quando cheguei mais perto a mulher dizia-te, querido a Catarina cai. E eu, querido? E tu começaste a corar quando me viste e a mulher a perguntar quem é esta? E tu a corar-a-corar; e eu, sou a namorada, a noiva dele e mostrei-lhe o anel de noivado; e contei-lhe de promessas juras e falsidades e a mulher a dizer, ai que não me sinto nada bem; e tu a corar e as crianças a gritar avô, avô que tem a avó? …
22/11/1967 é a data que está gravada no anel com o teu e o meu nome dentro de um coração, quase 30 anos de namoro e nunca desconfiei de nada.


  • (Dedicado à "Ana" - curiosamente a autora)

Foto: Hernik Marcin

posted by encandescente at 11/28/2005